Produção de etanol a partir de Kappaphycus Alvarezii - biocombustível de 3ª geração

O aumento da demanda por biocombustíveis vem pressionando a expansão de áreas agrícolas e competição com os cultivos alimentares. Como alternativa para esse conflito, a exploração de novas matérias-primas, como biomassas residuais de composição lignocelulósica e aquáticas (macroalgas), podem se tornar importantes estratégias para a produção de bioetanol de segunda e terceira gerações.

O organismo avaliado neste projeto é a macroalga Kappaphycus alvarezii, classificada como uma alga vermelha, ou Rhodophycea, fonte de carragena. Considerando as vantagens do bioetanol produzido a partir de biomassa algal e a falta de estudos desse tipo de fermentação para a produção de combustíveis renováveis, o propósito desta pesquisa é avaliar as possibilidades do pré-tratamento ácido e de hidrólise enzimática simultânea à fermentação (SSF).

O estudo do pré-tratamento com ácido diluído foi realizado nas faixas de 0,1 a 2,0% (v/v) de ácido sulfúrico e 10 a 60 minutos a 121°C, tendo gerado uma fração líquida (rica em galactose) com concentração de até 81 g/L de galactose e um resíduo celulósico (RC) com 66% (m/m) de celulose.

Para hidrólise enzimática, foi delineado um planejamento experimental central composto rotacional, tendo como fatores a carga enzimática (20-70 FPU/g de RC) e a concentração de RC (9-20% m/v) como variáveis independentes, obtendo até 100 g/L de glicose.

A fermentação das frações foi realizada pela linhagem Saccharomyces cerevisiae CBS1782 em batelada simples para a fermentação das frações liquida e sólida e das frações combinadas (SSCF), obtendo 38 g/L de etanol da fermentação da fração líquida, 52 g/L de etanol da fração sólida e 65 g/L através do SSCF.

Os resultados preliminares indicam boas perspectivas da utilização de K. alvarezii como uma potencial matéria-prima para produção de etanol de terceira geração.

×