UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro Ladebio

LADEBIO

Laboratórios de Desenvolvimento de
Bioprocessos da Escola de Química da UFRJ

SInProBio, LaProEnz, LabEngBio, LabSIm e Central Analítica
Desde 14/12/2009
Estatísticas 169406 visitas.
W3C XHTML 1.0

Produção Científica: Teses de Doutorado

Produção de Raminolipídeos e sua Aplicação na Remediação de Solos Impactados por Óleo

Autora: Lídia Maria Melo Santa Anna
Ano da Defesa: 2005
Orientadores: Nei Pereira Jr., PhD e Denise Maria Guimarães Freire, DSc
Programa: TPQB - Tecnologia de Processos Químicos e Bioquímicos da EQ/UFRJ
Download: PDF (PDF: 65 KB)

Resumo

Este trabalho tem como objetivo investigar a produção de raminolipídeos pela bactéria Pseudomonas aeruginosa PA1 isolada de ambientes de petróleo e sua aplicação na remediação de solos impactados por óleo.

No processo de produção estudou-se a condução em batelada alimentada de nitrogênio, com excesso de fonte de carbono, alcançando 13,2 g/L de raminolipídeos.

A utilização da Cromatografia Líquida de Alta Eficiência revelou, no meio fermentado, a presença de raminolipídeos com predominância de altas cadeias de ácidos graxos alfa-hidroxidecanoil (C10C10), confirmando as excelentes propriedades tensoativas do meio, que apresentaram valores de 30 mN/m, 2 mN/m e 60 mg/L para tensão superficial, interfacial e concentração micelar crítica, respectivamente.

O biossurfactante bruto apresentou toxicidade de 11,9 mg/L, avaliada pelo método Microtox e foi utilizado como agente de aceleração da biodegradação em solos impactados com óleo, alcançando eficiência de 5% a mais do que o biossurfactante comercial. Nos ensaios de lavagem (remoção) de óleo de solos arenosos, a variável concentração de raminolipídeos foi considerada a de maior significância.

Os ensaios de remoção utilizando tipos de óleo com características aromáticas e parafínicas alcançaram remoções de 91% e 80% de óleo da areia, respectivamente, com concentrações de raminolipídeos de 6,3 e 7,2 g/L, respectivamente.

A redução da eficiência de remoção foi também estudada utilizando o biossurfactante bruto, nas melhores condições experimentais durante 101 dias de impactação da areia, tendo sido alcançados valores de 6,4% na remoção do óleo aromático e 54,6% do óleo parafínico.

LADEBIO - Laboratório de Desenvolvimento de Bioprocessos da Escola de Química da UFRJ