UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro Ladebio

LADEBIO

Laboratórios de Desenvolvimento de
Bioprocessos da Escola de Química da UFRJ

SInProBio, LaProEnz, LabEngBio, LabSIm e Central Analítica
Desde 14/12/2009
Estatísticas 177970 visitas.
W3C XHTML 1.0

Produção Científica: Teses de Doutorado

Produção de Ramnolipídeos por Pseudomonas aeruginosa

Autor: Alexandre Soares dos Santos
Ano da Defesa: 2003
Orientadores: Dr. Nei Pereira Jr., PhD e Denise Maria Guimarães Freire, DSc
Programa: TPQB - Tecnologia de Processos Químicos e Bioquímicos da EQ/UFRJ
Download: PDF (PDF: 59 KB)

Resumo

Tendo como objetivo estabelecer condições de cultivo que resultassem em aumento da produção do biossurfactante tipo ramnolipídeo sintetizado por Pseudomonas aeruginosa PA1, várias estratégias foram investigadas.

Diferentes fontes de carbono e nitrogênio e diferentes relações C/N foram examinadas. Variações no pH do meio de cultivo e nas concentrações de íons Fe+2 e PO4-3 foram estudadas. Adição de homoserina lactonas aciladas (AHL), autoindutores do sistema quorum sensing de P. aeruginosa, foi abordada como estratégia para o incremento da síntese de ramnolipídeos. Além disso, o uso de batelada alimentada em condições de limitação de nitrogênio foi estudado para contornar a inibição por excesso de substrato.

O glicerol se destacou como fonte de carbono em par com o nitrato de sódio, como fonte de nitrogênio. O uso de fontes de carbono diferentes resultou na produção de biossurfactante com proporções distintas quanto aos tipos de ramnolipídeos sintetizados (monoramnolipídeos e diramnolipídeos). O tamponamento a pH 7,0, concentração traço de Fe+2 e concentração de 0,062 mol/L de íons fosfato mostraram-se mais apropriadas para a produção de ramnolipídeos. O pH do meio de cultivo também mostrou exercer influência sobre a síntese seletiva dos tipos de ramnolipídeos. A adição de AHL resultou em um aumento de duas vezes na produtividade volumétrica. O uso de batelada alimentada resultou em um aumento de 3,8 vezes na quantidade de ramnolipídeos produzidos (1,29 g/L para 4,90 g/L).

Além do efeito das condições de cultivo na produtividade volumétrica, estas também influenciaram na síntese e excreção de fenazinas e proteínas extracelulares, muitas delas consideradas fatores de virulência.

LADEBIO - Laboratório de Desenvolvimento de Bioprocessos da Escola de Química da UFRJ