UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro Ladebio

LADEBIO

Laboratórios de Desenvolvimento de
Bioprocessos da Escola de Química da UFRJ

SInProBio, LaProEnz, LabEngBio, LabSIm e Central Analítica
Desde 14/12/2009
Estatísticas 171361 visitas.
W3C XHTML 1.0

Produção Científica: Dissertações de Mestrado

Implementação de Metodologia para a Taxonomia de Bactérias do Processo Bioetanol e de Patógenos Marinhos

Autora: Ana Paula Barbosa Moreira
Data da Defesa: Fevereiro de 2010
Orientador: Nei Pereira Jr., PhD
Programa: TPQB - Tecnologia de Processos Químicos e Bioquímicos da EQ/UFRJ
Download: PDF (PDF: 28 MB - MD5: e33057a0e064e36446c4269f764d9a9c)

Resumo

A importância do bioetanol combustível decorre das vantagens econômicas da sua produção e dos benefícios ambientais do seu consumo. O rendimento da fermentação alcoólica no processo bioetanol é dramaticamente afetado por cofermentações conduzidas por bactérias resistentes aos métodos de controle. O conhecimento sobre a microbiologia do processo é limitado devido aos métodos de identificação empregados, geralmente fenotípicos.

Neste trabalho foi aplicada a taxonomia polifásica na identificação de isolados do processo bioetanol provenientes de três usinas nordestinas e previamente reunidos, segundo a técnica ARDRA, em grupos de espécies de lactobacilos.

O sequenciamento parcial do gene pheS e total do RNAr 16S permitiu claramente a identificação dos 4 grupos de isolados, tendo discriminado outros gêneros BAL além de Lactobacillus. Permitiu ainda a identificação, em nível de espécie, de Weissella paramesentoides e indicou a presença de uma nova espécie de Oenococcus.

Para a descrição da nova espécie e identificação sistemática de isolados do bioetanol, foi implementada nova metodologia de identificação de procariontes que se baseia na determinação fluorimétrica da ?Tm entre espécies relacionadas em plataforma de rtPCR.

Nas etapas de implementação da metodologia, incluindo a etapa pré-requisito de determinação da %GC fluorimetricamente, também com uso de rtPCR, foi utilizado o sistema vibrios patógenos de corais como modelo de estudo. Desse modo os resultados obtidos puderam ser comparados aos resultados pretéritos segundo o método clássico para validação da metodologia.

LADEBIO - Laboratório de Desenvolvimento de Bioprocessos da Escola de Química da UFRJ